Culto Infantil

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Home Blog Vida Crista Culto Domestico

O Culto Doméstico

Hoje queremos compartilhar algo maravilhoso com você que tem filhos ou filhas, sobrinhos ou netinhos, crianças do Senhor Jesus!

Algo que em gerações passadas era tão presente nas famílias cristãs: O culto doméstico.

Sabe, houve uma época em que era difícil ir a igreja. Existiam poucas igrejas e muitas famílias moravam distante delas. Não havia luz elétrica, estrada, ônibus, carro,  nada que facilitasse ir ao culto na igreja (no templo).

Houve épocas onde a igreja era perseguida (e ainda é em alguns países) e não era seguro frequentar um culto na igreja local.

Mas a necessidade de louvar e adorar ao Deus todo poderoso, Maravilhoso Conselheiro, Pai da Eternidade e Príncipe da Paz era muito grande. O desejo de estar em sua presença era tão grande que não dava para esperar o domingo chegar.

Então, a cada dia as familias se reuniam em algum lugar da casa, oravam, cantavam louvores ao Deus altíssimo, exaltavam o Senhor Jesus, abriam a Bíblia e a estudavam com alegria e temor.

Era  o culto doméstico enchendo o coração das crianças da alegria e paz que só Jesus pode dar.

Hoje em dia muitas famílias já não realizam mais o culto doméstico. O rádio, a televisão, o telefone, o computador, a internet, os videogames, os inúmeros cursinhos, academias, shoopings... tanta coisa tem subtraído o tempo das pessoas e dificultado as reuniões familiares, principalmente  àquelas com o propósito de prestar um culto doméstico ao Senhor.

Mas até que ponto um simples culto doméstico pode influenciar a vida de uma criança?

Pesquisando um livro hoje pela amanhã encontrei uma pequena pérola e é ela que desejo dividir com você:

O CULTO DOMÉSTICO charles_m_sheldon

Charles M. Sheldon, autor do livro Em Seus Passos, Que Faria Jesus?, um dos mais conhecidos livros da literatura cristã, deixou um testemunho acerca da forte influência que o culto doméstico exerceu em sua vida.”

Em uma cabana de madeira na campina, meu pai me ensinou a amar a Bíblia”, escreveu. “Depois do café da manhã, todos os dias, a família passava para o fundo do cômodo que chamávamos de sala de estar, e fazíamos o culto doméstico. Cada um de nós tinha sua própria Bíblia. Papai lia dois versículos, e cada um de nós lia dois versículos. Antes que se escoassem cinco anos, havíamos lido a Bíblia toda cinco vezes. Acho que sou o único homem vivo que já ouviu toda a Bíblia lida em voz alta cinco vezes. Nunca pulamos nada, nem mesmo aquelas listas enormes de valentes que geraram uns aos outros. Assim que terminávamos o Apocalipse, papai voltava calmamente ao Gênesis e começávamos de novo. Houve uma época em que eu conseguia repetir todo o Evangelho de Mateus de cor. Desejo repetir que meu pai me ensinou a amar a Bíblia como o melhor livro do mundo. No culto doméstico, depois da leitura da Bíblia, cantávamos um hino e então nos ajoelhávamos enquanto papai fazia a oração matutina. Somos escoceses-irlandeses, e naturalmente as orações de papai eram tão compridas quanto ele quisesse. E geralmente orava por nós, citando nomes. Quando finalmente saí de casa para ir estudar numa faculdade lá do leste, ficava muitas vezes tentado a fazer o que alguns dos rapazes faziam — blasfemar, jogar cartas a dinheiro, e ir a lugares da cidade à noite em que não deveria ir. Então, quando estava para ceder a meus desejos, ouvia a oração matutina de papai na cabana de madeira. E aquele poder e valor cotidiano da oração como hábito diário permaneceu comigo e permanecerá até que eu passe desta vida e vá encontrar meu pai, para regozijar-me em sua maravilhosa companhia naquele lugar onde não mais há doençanem morte."

Texto extraído do livro “A criança no lar cristão” - Margaret Bailey Jacobsen – Ed. Mundo Cristão – SP – 1989 – p.142,143

 

Charles Sheldon, este menininho que lia dois versículos por dia nos cultos domésticos com sua família, cresceu, estudou e formou-se no Andover Theological Seminary.

Influenciado por seu pai que também era pastor, Cheldon tornou-se pastor evangélico aos 29 anos de idade e por 33 anos exerceu este ministério. Depois, continuou a atuar como editor por muitos anos. Segundo informações do site da Editora Mundo Cristão, aquele menino, dos cultos domésticos na cabana de madeira da campina, escreveu um dos 10 livros mais vendidos em todo o mundo.  Eu mesmo já li este livro e confesso que gostei tanto que o li de uma vez só. É um clássico da literatura evangélica.

Todo àquele que se diz cristão deveria, depois da Bíblia, claro, ler "Em seus passos o que faria Jesus?".

Milhões de pessoas, assim como eu, foram e continuam sendo impactadas pela mensagem deste livro. E pensar que tudo começou quando Cheldon ainda era criança, nos pequenos cultos domésticos realizados em uma cabana de madeira na campina. Como ele mesmo testemunhou, no momento mais crítico da sua vida, quando o mundo oferece tudo de ruim que faça com que um  jovem se afaste de Deus, neste momento, a única coisa que não saía de sua lembrança era a oração matutina de seu "papai" na cabana de madeira na campina.

É como diz a Palavra de Deus:

"Instrui o menino no caminho em que deve andar, e até quando envelhecer não se desviará dele." Pv 22:6

Charles Monroe Sheldon faleceu em 1946 aos 89 anos de idade e certamente, como ele mesmo disse em seu testemunho, "aquele poder e valor cotidiano da oração como hábito diário" permaneceram com ele até o fim de sua vida.

Que Deus nos abençoe!